terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Coronavírus em SC: Boletim Epidemiológico

 


Fonte: Secom SC

Prova de vida está suspensa até o fim do ano

O INSS não vai bloquear benefícios por falta de prova de vida até janeiro 2021 para os beneficiários que, em condições normais, precisariam ter realizado o recadastramento de senha entre março e novembro ou, ainda, fazer o procedimento em dezembro deste ano.

A prorrogação da liberação da exigência por mais duas competências (novembro e dezembro) deverá ser oficializada nesta segunda-feira (30), data em que estava prevista a retomada dos bloqueios.

A prova de vida do INSS deve ser feita anualmente, na rede bancária, pelo beneficiário que recebe por meio de conta-corrente, poupança ou cartão magnético. Neste ano, porém, devido à pandemia de Covid-19, a exigência está suspensa desde março.

O recadastramento não está proibido. O segurado que quiser ou, eventualmente, for ao banco, poderá fazer a comprovação de que está vivo, segundo o INSS e a Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

A Febraban destaca que os bancos mantiveram o atendimento aos beneficiários interessados em renovar suas senhas.

Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander confirmaram que aposentados e pensionistas do INSS podem realizar o procedimento nas agências.

Alguns bancos orientam, porém, que há horário especial para atendimento a aposentados, pensionistas e pessoas do grupo de risco para a Covid.

Quem for a uma instituição bancária deve seguir os cuidados recomendados para evitar contágio do coronavírus. Pessoas do grupo de risco devem evitar sair de casa.

Cada banco determina a data da forma mais adequada à sua gestão: existem bancos que utilizam a data do aniversário do beneficiário, outros utilizam a data de aniversário do benefício, assim como há os que convocam o beneficiário na competência que antecede o vencimento da fé de vida.

Quando a exigência for retomada, quem não comprovar que está vivo tem a renda bloqueada. Veja aqui as regras para a comprovação de vida neste ano.

Será preciso comparecer à agência onde recebe o benefício e apresentar um documento de identificação (carteira de identidade, carteira de trabalho, carteira nacional de habilitação e outros), com foto, para provar que está vivo e ter o pagamento restabelecido.

Algumas instituições financeiras já utilizam a tecnologia de biometria nos terminais de autoatendimento.

Fonte: RBV

Casos de Covid-19 voltam a subir, principalmente entre os jovens

Santa Catarina fechou o mês de novembro com o número mais alto de casos ativos de coronavírus de toda a pandemia. São quase 30 mil pacientes em tratamento contra a doença.

Somente na região da Associação dos municípios do Alto Vale do Rio do Peixe (Amarp), em boletim divulgado na noite de ontem segunda-feira (30), até o momento foram 6,501 casos confirmados da doença nos 15 municípios que pertencem a associação.

Em Videira o boletim divulgado nas últimas horas registrou 28 recuperados e 40 novos positivos. Ainda existem 315 casos que estão isolados, 12 internados sendo quatro em UTI e 327 casos ativos.

A secretária da saúde do município Ivanice Peccin, explica o possível motivo do aumento de casos nos últimos dias.

Ela ressalta ainda que assim como foi com outras doenças já existentes é preciso saber conviver com mais esse vírus.

Fonte: RBV

Chuvas dos últimos dias normalizaram situação do Rio do Peixe

Foto:Rio do Peixe, entre Joaçaba e Herval d´Oeste

As chuvas dos últimos dias normalizaram o nível do Rio do Peixe, entre Joaçaba e Herval d´Oeste. A informação foi confirmada pela diretora-presidente do Simae, Patricia Callegari Warken. De acordo com ela, choveu 57mm da última sexta-feira (27) até às 7h desta segunda-feira (30).

Com a normalização, está sendo liberado o uso da água para as atividades que estavam proibidas no decreto de estiagem (assinado no início de novembro em Joaçaba, Herval d´Oeste e Luzerna), como o abastecimento e substituição de piscinas, irrigação de plantas, lavagem de imóveis, fachadas, calçadas, pisos, muros e telhados, lavagem de veículos com utilização de mangueiras ou utilização de lava jatos de uso doméstico.

Conforme a diretora-presidente, nos dias críticos da estiagem o nível do rio, no ponto de captação da estação de tratamento, estava com 50 a 55 cm de lâmina d'água. Agora está com 1 metro e 12 centímetros. Antes da estiagem a média ficava em torno de 1 metro e 10 centímetros.

Previsão climática para o trimestre

A previsão climática para o trimestre de verão (dezembro, janeiro e fevereiro) é de retorno da chuva em Santa Catarina. A precipitação esperada é de valores próximos a ligeiramente acima da média para o período, destacando-se o Litoral catarinense.

Neste trimestre, segundo a climatologia, há ocorrências de temporais associados principalmente a chuva intensa, que devido ao acumulado em curto espaço de tempo provoca alagamentos, enxurradas e deslizamentos. A chuva ainda pode vir acompanhada de raios, rajadas de vento e eventual queda de granizo.

Entre janeiro e fevereiro, principalmente, são esperados eventos mais frequentes de circulação marítima, que provocam chuva persistente e muitas vezes volumosa no Litoral e áreas próximas.

Fonte: Caco da Rosa




Voltar

Previsão do Tempo para esta Quarta-feira

 


Quarta-feira (02/12):

Tempo: no Oeste e Meio Oeste, pancadas de chuva com trovoadas à noite. Há risco de temporais isolados. No Meio-Oeste, Planalto Sul, Litoral Sul, Planalto Norte e Litoral Norte, sol com muitas nuvens e pancadas de chuva com raios. Nas demais regiões, chuva isolada na madrugada e início da manhã, melhorando no decorrer do dia..  

Temperatura: emelevação.

Vento: sudeste a nordeste entre a Grande Florianópolis e o Litoral Norte e de nordeste nas outras regiões, fraco a moderado com rajadas.

Sistema: cavado (área de baixa pressão) influenciando SC.


Fonte: Epagri/Ciram

Conta de luz ficará mais cara em dezembro

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reativou o sistema de bandeira tarifárias e definiu a bandeira vermelha patamar 2 para o mês de dezembro, a mais alta, com custo de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts/hora consumidos.

Em maio deste ano, em razão da pandemia de covid-19, a Aneel havia decidido manter a bandeira verde acionada até 31 de dezembro deste ano. Entretanto, em reunião extraordinária ontem (30), a diretoria do órgão avaliou que a queda no nível de armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas e a retomada do consumo de energia justificavam o aumento.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.

Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Segundo a Aneel, a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de apresentar um valor que já está na conta de energia, mas que geralmente passa despercebido.

Fonte: Agência Brasil

Dezembro é o mês de conscientização e prevenção ao HIV/Aids


Dezembro traz um importante alerta de prevenção à infecção pelo HIV, quando é celebrado o mês de conscientização, sendo que 1º de dezembro é o Dia Mundial de Luta contra a Aids. Em Santa Catarina, os últimos anos têm sido de estabilidade, com uma pequena tendência de queda, no registro de novos casos da infecção e também da doença. No entanto, a transmissão do vírus ainda é uma realidade no estado. Sendo assim, a prevenção, a testagem e o tratamento continuam sendo fundamentais para o controle e combate ao HIV.

Regina Valim, médica infectologista e gerente de vigilância das IST, HIV/AIDS e Hepatites Virais, da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), reforça a importância dessas medidas. “As pessoas não podem deixar de se prevenir. É fundamental que usem camisinha feminina ou masculina em todas as formas de relação sexual, que realizem a testagem para o diagnóstico precoce e o tratamento com medicamentos antirretrovirais, em caso de infecção. Além disso, também indicamos o uso de PrEP e PEP. Lembrando que tudo isso é oferecido de graça para qualquer pessoa nos serviços de saúde”, finaliza a médica. 

No ano de 2019, foram registrados 2.066 novos casos de HIV em Santa Catarina. Em um comparativo com o ano anterior, houve uma queda de 222 casos. Com relação à Aids, também houve redução. No ano de 2019, foram notificados 1.205 casos da doença, contra 1.305 em 2018. 

Os homens são mais acometidos pelo vírus no estado do que as mulheres. Em 2019, foram notificados 1.428 novos casos no sexo masculino, contra 660 no sexo feminino. Já a faixa etária com mais registros de casos de HIV é a de adultos jovens, com idade entre 20 e 29 anos. Foram 750 registros em 2019, seguida dos adultos com idade entre 30 e 39 anos, com 592 novos casos no mesmo ano. 


Transmissão vertical

O diagnóstico precoce é a melhor forma de evitar a transmissão vertical do HIV, da mãe para o filho durante a gravidez, o parto ou a amamentação. Sendo assim, é essencial que todas as gestantes e parceiros sexuais sejam testados para o HIV/Aids. No caso da mãe, ela deve ser testada durante o pré-natal e no momento do parto. “Quanto mais cedo se faz o diagnóstico, mais cedo se inicia o tratamento com antirretroviral e, com isso, evita-se a transmissão”, explica a gerente de vigilância das IST. 
Prevenção combinada

A melhor forma de evitar a infecção pelo HIV é pela prevenção combinada, que consiste no uso simultâneo de diferentes abordagens de prevenção:
PrEP (Profilaxia Pré-Exposição ao HIV): é um método de prevenção que consiste na ingestão diária de um comprimido que impede que o vírus infecte o organismo, antes mesmo da pessoa ter contato com o vírus. É indicado para pessoas que tenham mais chance de entrar em contato com o HIV.
PEP (Profilaxia Pós-Exposição ou PEP): medida de prevenção de urgência à infecção pelo HIV que consiste no uso de medicamentos, após uma possível exposição ao vírus, para reduzir o risco de infecção. Deve ser iniciada o mais rápido possível, preferencialmente, nas primeiras duas horas após a exposição e no máximo em até 72 horas. A duração da PEP é de 28 dias e a pessoa deve ser acompanhada pela equipe de saúde.
Preservativos: a camisinha masculina ou feminina deve ser usada em todos os tipos de relação sexual. Além de ser bastante acessível, está disponível nas unidades de saúde gratuitamente e é a maneira mais eficaz para evitar a infecção pelo HIV e uma gravidez não planejada.
Testagem: o diagnóstico da infecção pelo HIV é feito por meio de testes. O teste rápido é um deles. Em, no máximo, 30 minutos é possível ter acesso ao resultado. O teste é realizado, de graça, em unidades básicas de saúde. O diagnóstico precoce é essencial para dar início ao tratamento o quanto antes e controlar a transmissão.
Tratamento: a infecção pelo HIV não tem cura, mas pode ser controlada com a ingestão de medicamentos antirretrovirais, o chamado coquetel. Os medicamentos são distribuídos gratuitamente pelo SUS.
Carga viral indetectável: a pessoa que vive com HIV, mas realiza o tratamento adequadamente, consegue reduzir a circulação do vírus no corpo a índices indetectáveis. Ou seja, consegue eliminar o risco de transmissão.


O que é HIV?

É o vírus da imunodeficiência que pode levar à Aids, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Diferentemente do que acontece com alguns outros vírus, o corpo humano não é capaz de eliminar o HIV, ou seja, uma vez adquirido, o vírus permanecerá no organismo a vida toda. O HIV se espalha por meio dos fluidos corporais e afeta, principalmente, células do sistema imune (sistema de defesa do organismo), chamadas CD4. Com o passar do tempo, o HIV pode destruir essas células de tal forma que o organismo se torna incapaz de lutar contra infecções e doenças em geral. Quando isso acontece, é sinal de que a infecção pelo HIV levou à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, a Aids. 

O HIV é transmitido, principalmente, por relações sexuais desprotegidas, mas também pode ser adquirido no compartilhamento de seringas; transfusão de sangue contaminado; da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação; ou ainda por meio de instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.

Fonte: Secom SC